Vida e Obra de Fialho

Nota Biográfica

José Valentim Fialho d’Almeida nasceu a 7 de Maio de 1857 no Largo da Misericórdia, em Vila de Frades, concelho de Vidigueira, sendo seus pais Valentim Pereira d’Almeida, natural de Oleiros, e Mariana da Conceição Fialho, de Vila de Frades.

O pai era um mestre – escola na aldeia de Vila de Frades, e em 1866 internou-o no Colégio Europeu, ao Conde Barão, em Lisboa, quando José Valentim tinha 9 anos; da família já constava uma irmã, Maria de Jesus, nascida em 1861, e veio a alargar-se com o nascimento do irmão, Joaquim Tomás, em 1867.

As dificuldades financeiras levaram Fialho d’Almeida a sair do Colégio, e a iniciar em 1872, o trabalho de ajudante de farmácia, em Lisboa, no Largo do Mitelo, onde viveu anos em condições difíceis, que nos descreve com muita clareza, mas que lhe pemitiram conhecer aquelas em que o povo vivia nos bairros pobres da cidade.

Quanto ao prosseguimento de estudos, o caminho não foi fácil para Fialho d’Almeida, pois a morte do pai obrigou-o a vir apoiar a família em Vila de Frades, onde permaneceu um ano, após o qual regressa então a Lisboa e virá a concluir o curso de Medicina em 1885. Mas, como o próprio afirma, não se fez médico e optou pela aventura da escrita, de que não seria fácil obter grandes proventos.

Em termos literários, iniciara no ano de 1874 uma colaboração no jornal Corresponência de Leiria, que virá a abandonar em 1877, ano em que escreve o texto «O funâmbulo de mármore». Em 1886 foi director literário do jornal O Interesse Público, e em 1888 é secretário de redacção de O Repórter, sendo que data de 1881 a edição de Contos, que dedica a Camilo Castelo Branco.

No quadro da evolução política do País, Fialho d’Almeida é tido na Monarquia como Republicano, depois Franquista, crítico do Regicídio, e após a implantação da República apontado como inimigo do regime.

O seu casamento com Emília Augusta Garcia Pego, em 1893, que se dissolve com a morte desta no ano seguinte, faz com que Fialho d’Almeida se instale em Cuba, dividindo-se entre esta localidade e Vila de Frades, e tornando-se um proprietário agrícola.

Ao gosto pela escrita, Fialho d’Almeida junta a gestão da actividade agrícola e as viagens, por exemplo à Galiza. Veio a falecer a 4 de Março de 1911, no regresso de Vila de Frades à sua casa de Cuba, sendo nesta vila que está sepultado, com a família, em jazigo próprio.

Obras publicadas

LIVROS EDITADOS EM VIDA

Contos, Porto 1881

A Cidade do Vício, Porto, 1882

Os Gatos (publicação semanal e depois mensal; 57 opúsculos reunidos actualmente em 6 volumes), Porto, 1889-1894

Pasquinadas (Jornal dum Vagabundo), Porto, 1890

Lisboa Galante (Episódios e Aspectos da Cidade) , Porto, 1890

Vida Irónica (Jornal dum Vagabundo), Lisboa, 1892

O País das Uvas, Lisboa – Porto, 1893

Madona do Campo Santo, Coimbra, 1896

À Esquina (Jornal dum Vagabundo), Coimbra, 1900

 

LIVROS PÓSTUMOS

Barbear, Pentear (Jornal dum Vagabundo), Lisboa, 1911

Saibam Quantos … (Cartas e Artigos Políticos), Lisboa, 1912

Estâncias de Arte e de Saudade, Lisboa, 1921

Aves Migradoras, Lisboa, 1922

Figuras de Destaque, Lisboa, 1924

Actores e Autores (Impressões de Teatro), Lisboa, 1925

Vida Errante, Lisboa, 1925

Cadernos de ViagemGaliza, 1905, Compostela, 1996